Minha mãe tem um filho hiperativo / Only a mother could love him

Minha Mãe Tem um Filho Hiperativo (Only a Mother Could Love Him), Ben Polis, Verus Editora, 197 páginas, 2010.

Descrição: Psicologia, terapia familiar

Para todos os pais que já se desesperaram por causa de um filho hiperativo, impulsivo e incontrolável; para todos os professores que já se frustraram por causa de um aluno que não presta atenção na aula; para todas as crianças e adolescentes que já se perguntaram: “Por que ninguém gosta de mim?”, a resposta está nestas páginas. Escrito quando o autor tinha apenas 19 anos, “Minha mãe tem um filho hiperativo” traz uma abordagem singular e reveladora do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, pois é o único livro narrado por um jovem portador do distúrbio.

Em “Minha mãe tem um filho hiperativo”, Ben Polis apresenta uma visão impressionante da mente de uma pessoa com o transtorno. O autor frequentou seis escolas diferentes – e foi expulso de cinco –, ficou de castigo no colégio por mais de três mil horas e levou a família à terapia. Mas, com grande determinação e utilizando técnicas de concentração que ele mesmo criou, Ben não apenas se formou no ensino médio como conseguiu entrar na faculdade.

fonte: http://www.veruseditora.com.br

(capa original)

Anúncios

Solteira Sim, Sozinha Nunca / Living Alone and Loving It

Solteira Sim, Sozinha Nunca (Living Alone and Loving It), Barbara Feldon, Editora Verus, Campinas – SP, 2007, 176 páginas.

Descrição: Pessoas sozinhas; Guia de Experiências de Vida

Depois de uma série de relacionamentos que não deram certo, a autora viu-se vivendo sozinha. Na época ela não sabia, mas esse se tornaria um dos períodos mais enriquecedores e prazerosos de sua vida. Agora, ela revela os segredos para viver sozinha e ser feliz assim. Com receitas contra a solidão e os medos, responde todas as perguntas que surgem quando se vive sem um parceiro, abordando tanto os aspectos emocionais quanto os práticos da vida de solteira. Com este livro você vai aprender a – parar de achar que o casamento é a solução para a solidão; ter uma excelente auto-estima, que não dependa de um admirador; valorizar relações e amizades que podem estar sendo negligenciadas; desenvolver seu lado criativo; e acabar com o pensamento negativo.

fontes: www.livrariacultura.com.br e www.veruseditora.com.br

(capa original)